Hailey Bieber, ainda está ‘aprendendo a se amar’, segundo o que a modelo contou para Harper’s Bazaar. A entrevista concedida para a editora Jessica Matlin, trouxe por extenso muito sobre a jornada de Hailey Bieber. 

Confira TRADUZIDO o que ela disse para revista:

Tendo feito balé por 12 anos, tenho essa memória muscular. Ele desempenha um papel importante no meu tipo de corpo e no meu atletismo. Manteve meu corpo saudável e, mentalmente, me ensinou a me comprometer com algo. Comecei a modelar e viajar ao redor do mundo quando tinha 17 anos. É um negócio. Você tem que ser disciplinado, pontual, e querer fazer. Tudo o que aprendi sendo dançarina continua contribuindo para quem eu sou hoje. Estou tão grato por ter feito isso, e sinto falta disso. Eu tenho um amor tão profundo por dançarinos.

Também sou realmente inspirada por atrizes. Assisti aquele filme ‘Eu Me Importo’, com Rosamund Pike. Seu rosto é deslumbrante, mas é seu ofício e habilidade que são lindos para mim. E a atitude dela naquele filme? Assistindo, eu fiquei tipo, “Ah! Ela é tão legal.” Eu também fui capturada por Carey Mulligan em ‘Bela Vingança’. Acho lindo mulheres interpretando personagens fortes. Tenho tanta admiração pela própria indústria cinematográfica, mas sou muito dura comigo mesmo de muitas maneiras. Se eu tivesse treinado profissionalmente, teria mais confiança.

Quando eu vejo uma mulher achando seu propósito e fazendo o que ela quer fazer na vida dela, acho tão inspirador. É por isso que eu amo a Kamala Harris. A beleza dela brilha de tantas maneiras diferentes. Ela é tão forte e confiante.

Eu levei anos para me sentir confortável como modelo. Agora, eu estou mais aventureira e tentando mais coisas diferentes. Você percebe que se não funciona, não funciona! Por exemplo, às vezes, quando estou fazendo alguma coisa realmente estúpida, recebo uma imagem legal. Se eu estou fazendo uma modelagem estranha com o corpo, fica ótimo. Não tenha medo de explorar. Isso se aplica a muitas coisas diferentes.

Quando se trata de mídia social, eu definitivamente passei por muitas comparações. Me comparar com outras pessoas, me comparando com outras pessoas, sentindo que preciso ter esse tipo de corpo para me sentir bem comigo mesma. Pode ser um buraco tão escuro que você cai, e isso acontece com muita rapidez e facilidade. Com a mídia social, você clica em uma coisa e vê outra, e então você está nesta estranha toca do coelho e se colocando ara baixo.

A realidade é que as pessoas mostram o que têm de melhor e muitas vezes escondem o resto nas redes sociais. Você está vendo apenas uma pequena parte do que essa pessoa está permitindo que o mundo veja.

Eu tenho apenas 24 anos, e continuo tentando descobrir quem eu sou como mulher. Quem sou em minha carreira. Quem eu sou como esposa. Há tanta coisa acontecendo, eu tive que dar um tempo de olhar a mim mesma como as outras pessoas. Eu tive que fazer uma coisa, não entro no Instagram de Segunda à Sexta. Se algo precisar ser postado, eu tenho alguém com quem trabalho que cuida disso para mim. Eu tive que me retirar. Todo mundo tem inseguranças. Não é só porque as pessoas me dizem “Linda”. Não é assim que eu me vejo, e não é como eu quero me sentir na maior parte do tempo.

É uma jornada contínua para amar a si mesma. Isso nunca acaba. Espero estar nessa jornada mesmo quando eu estiver velha e flácida. Eu espero que eu me ame até então.

Fonte: Harper’s Bazaar